Qual a melhor tradução de Orgulho e Preconceito de Jane Austen?

Texto Original

It is a truth universally acknowledged, that a single man in possession of a good fortune, must be in want of a wife.
However little known the feelings or views of such a man may be on his first entering a neighbourhood, this truth is so well fixed in the minds of the surrounding families, that he is considered the rightful property of some one or other of their daughters.
“My dear Mr. Bennet,” said his lady to him one day, “have you heard that Netherfield Park is let at last?”
Mr. Bennet replied that he had not.
“But it is,” returned she; “for Mrs. Long has just been here, and she told me all about it.”
Mr. Bennet made no answer.
“Do you not want to know who has taken it?” cried his wife impatiently.
“You want to tell me, and I have no objection to hearing it.”
This was invitation enough.
“Why, my dear, you must know, Mrs. Long says that Netherfield is taken by a young man of large fortune from the north of England; that he came down on Monday in a chaise and four to see the place, and
was so much delighted with it, that he agreed with Mr. Morris immediately; that he is to take possession before Michaelmas, and some of his servants are to be in the house by the end of next week.”
“What is his name?”
“Bingley.”
“Is he married or single?”
“Oh! Single, my dear, to be sure! A single man of large fortune; four or five thousand a year. What a fine thing for our girls!”
“How so? How can it affect them?”
“My dear Mr. Bennet,” replied his wife, “how can you be so tiresome! You must know that I am thinking of his marrying one of them.”

Editora Darkside tradução de Lígia Azevedo

É uma verdade universalmente conhecida que um homem solteiro em posse de uma boa fortuna deve estar à procura de uma esposa.
Por mais desconhecidos que sejam os sentimentos ou as opiniões de tal homem quando se fixa em uma nova localidade, essa verdade está tão enraizada na mente das famílias da região que o moço é considerado propriedade legítima de uma de suas filhas.
“Meu caro sr. Bennet”, disse-lhe a esposa um dia, “já soube que Netherfield Park finalmente foi alugada?”
O sr. Bennet respondeu que não sabia.
“Pois eu digo que foi”, retorquiu ela. “A sra. Long esteve aqui agora há pouco e me contou tudo.” O sr. Bennet não respondeu.
“Não gostaria de saber quem a alugou?”, insistiu a esposa, impaciente.
“Creio que a senhora gostaria de me contar, e não faço objeção a ouvir.” A declaração do marido foi o suficiente para que ela continuasse:
“Ah, meu querido, mas você precisa saber. A sra. Long disse que a propriedade foi alugada por um homem muito rico do norte da Ingla-terra. Ele veio na segunda-feira em uma carruagem com quatro cavalos para ver o lugar e ficou tão satisfeito que no mesmo instante concordou com as condições do sr. Morris. Ele deve se instalar antes da festa de são Miguel Arcanjo,’ e, pelo que sei, no fim da próxima semana alguns criados já terão se mudado “
“Qual é o nome dele?”
“Bingley.”
“É casado ou solteiro?”
“Ah! Solteiro, meu querido, com toda certeza! Um homem rico e solteiro, com renda de quatro ou cinco mil libras por ano. Que bela novidade para as nossas meninas, não?”
“Por quê? Como isso as afeta?”
“Meu caro sr. Bennet”, respondeu a esposa, “como pode ser tão irritante? Deve saber que estou pensando em casá-lo com uma delas.”

Editora Penguin Companhia Tradução de ALEXANDRE BARBOSA DE SOUZA

É uma verdade universalmente reconhecida que um homem solteiro, de posse de boa fortuna, deve estar atrás de uma esposa.
Por mais desconhecidos que sejam os sentimentos e as opiniões desse homem no momento em que chega a uma nova vizinhança, tal verdade está tão bem entranhada na mente das famílias da região que ele é considerado, imediatamente e por direito, propriedade de uma ou outra de suas filhas.
“Meu caro senhor Bennet”, disse-lhe a esposa certo dia, “já soube que alguém finalmente alugou Netherfield Park?”
O senhor Bennet respondeu que não.
“Pois então saiba”, ela continuou, “que a senhora Long acabou de sair daqui e me contou tudo.”
O senhor Bennet nem respondeu.
“Não lhe interessa saber quem alugou?”, exclamou a esposa impaciente.
“Você quer que eu saiba, e não me oponho a ouvir.”
Isso já era o suficiente para ela.
“Pois bem, meu querido, a senhora Long disse que Netherfield foi alugada por um rapaz muito rico do norte da Inglaterra; disse que ele chegou segunda-feira numa carruagem com quatro cavalos’ para ver o lugar e gostou tanto que fechou na hora com o senhor Morris: e disse que ele deve se mudar antes da festa de são Miguel Arcanjo, e alguns empregados já devem chegar no final da semana que vem.”
“Como ele se chama?”
“Bingley.”
“É casado ou solteiro?”
“Ora, solteiro, meu querido, é claro! Um rapaz solteiro e riquíssimo; quatro ou cinco mil libras por ano. Que maravilha para as nossas meninas!”
“Como assim? Que diferença isso faz para elas?”
“Meu caro senhor Bennet”, retrucou a esposa, ” você às vezes é tão irritante! Já devia saber que estou pensando em casá-lo com uma delas.”

Editora Nova fronteira, Abril Cultural, BestBolso e José Olympio Lúcio Cardoso

É uma verdade universalmente conhecida que um homem solteiro, possuidor de uma boa fortuna, deve estar necessitado de esposa.
Por pouco que os sentimentos ou as opiniões de tal homem sejam conhecidos, ao se fixar numa nova localidade, essa verdade se encontra de tal modo impressa nos espíritos das famílias vizinhas, que o rapaz é desde logo considerado a propriedade legítima de uma das suas filhas.
– Caro Mr. Bennet – disse-lhe um dia a sua esposa -, já ouviu dizer que Netherfield Park foi alugado afinal?
Mr. Bennet respondeu que não sabia.
-Pois está – assegurou ela. – Mrs. Long acabou de sair daqui e me contou tudo.
Mr. Bennet não respondeu.
-Afinal não deseja saber quem é o locatário? – gritou a mulher, impacientemente.
-Você é quem está querendo me dizer e eu não faço nenhuma objeção a isto.
Este convite foi suficiente.
– Pois, meu caro, você deve saber que Mrs. Long disse que Netherfield foi alugada por um rapaz de grande fortuna, oriundo da Inglaterra. E que além disso ele chegou segunda-feira numa elegante caleça a fim de visitar a propriedade. Ficou tão encantado que entrou imediatamente em negócio com Mr. Morris; Mrs. Long disse também que ele entrará na posse do prédio antes do dia de S. Miguel. Alguns dos seus criados devem chegar já na próxima semana.
– Como se chama ele?
– Bingley.
– É casado ou solteiro?
-Oh, solteiro, naturalmente, meu caro. Solteiro e muito rico! Quatro ou cinco mil libras por ano. Que boa coisa para as nossas meninas, hein?
– Como assim? De que modo pode isso afetá-las?
– Meu caro Mr. Bennet – replicou a sua esposa -, como você, às vezes, é enfadonho! Deve saber que ando pensando em casar uma delas…

Editora L&pm Pocket tradutora Celina Portocarrero

É VERDADE UNIVERSALMENTE reconhecida que um homem solteiro em posse de boa fortuna deve estar necessitado de esposa.
Por menos conhecidos que possam ser os sentimentos ou pontos de vista de tal homem em seus primeiros contatos com um novo ambiente, essa verdade está tão enraizada nas mentes das famílias vizinhas que o recém-chegado é considerado propriedade de direito das moças do lugar.
– Meu caro sr. Bennet – disse-lhe a esposa um dia -, o senhor já soube que Netherfield Park foi afinal alugada?
O sr. Bennet respondeu que não.
– Pois foi – retrucou ela -, a sra. Long aqui esteve há pouco e me contou tudo a respeito.
O sr. Bennet não lhe deu resposta.
-O senhor não quer saber quem a alugou? – exclamou a mulher, impaciente.
– A senhora quer me dizer, e não tenho objeções quanto a ouvir.
Como convite, foi o bastante.
– Mas, meu caro, o senhor precisa saber, a sra. Long me disse que Netherfield foi alugada por um jovem de grande fortuna, do norte da Inglaterra; que ele veio na segunda-feira, numa pequena carruagem puxada por quatro cavalos, para ver o lugar, e ficou tão encantado que no mesmo instante fechou negócio com o sr. Morris; que ele deve se instalar antes da Festa de São Miguel, e que alguns criados são esperados na casa no final da próxima semana.
– Como ele se chama?
– Bingley.
– Casado ou solteiro?
-Oh! Solteiro, meu caro, com certeza! Um homem solteiro e de grande fortuna, quatro ou cinco mil libras por ano. Que ótimo para nossas meninas!
– Por quê? Como isso pode afetá-las?
– Meu caro sr. Bennet – respondeu a mulher -, como pode ser tão irritante! Deve saber que estou pensando em casá-lo com uma delas.

Editora Excelsior tradutora Rafaella Caetano

É uma verdade universalmente reconhecida que um homem solteiro, em posse de boa fortuna, deve estar à procura de uma esposa.
Embora os sentimentos ou opiniões de tal homem sejam pouco conhecidos quando ele adentra uma vizinhança pela primeira vez, essa verdade está tão bem fixada nas mentes das famílias vizinhas que o rapaz é logo considerado a propriedade legítima de uma das suas filhas.
– Meu caro sr. Bennet – disse-lhe um dia a sua esposa -, ficou sabendo que Netherfield Park foi alugada, finalmente?
O sr. Bennet respondeu que não.
– Pois foi – respondeu. – A sra. Long esteve aqui e me contou tudo.
O sr. Bennet não respondeu.
– Não quer saber quem a ocupou? – exclamou a esposa com impaciência.
– Você quer me contar, e não tenho nenhuma objeção em ouvir.
A resposta mostrou-se um convite.
– Ora, meu querido. Você deve saber, a sra. Long contou que Nether-field foi alugada por um jovem de enorme fortuna, oriundo do norte da Inglaterra. Ele chegou na segunda-feira, em uma elegante carruagem e acompanhado de mais quatro pessoas, a fim de visitar a propriedade. Ficou tão encantado que fechou negócio com o sr. Morris imediatamente; ele ocupará Netherfield antes da Festa de São Miguel, e alguns de seus criados deverão chegar no próximo fim de semana.
– Como ele se chama?
– Bingley.
– É casado ou solteiro?
-Ora! Solteiro, meu querido, é claro! Solteiro e com uma enorme fortuna; quatro ou cinco mil libras por ano. Que coisa boa para as nossas filhas!
– Como assim? De que modo isso pode afetá-las?
– Meu caro sr. Bennet – replicou a esposa -, não seja tão entediante! Deve imaginar que estou pensando em casá-lo com uma delas.

Tradutor e adaptador Paulo Mendes Campos editora Ediouro ( edição reduzida)

Um homem solteiro, possuidor de razoável fortuna, deve estar à procura de esposa.
Por menos que se saiba de suas intenções, quando o solteiro aparece em qualquer lugar, essa verdade está de tal forma enraizada na mentalidade das famílias, que ele passa a ser considerado propriedade legítima das moças da vizinhança.
– Meu caro Bennet – disse-lhe a mulher – sabe que já
alugaram a casa de Netherfield Park?
Bennet não sabia.
Pois foi alugada. A Sr.a Long contou-me tudo. Não quer saber quem é o inquilino?
Você é quem quer contar, e eu não faço objeção em ouvir.
– Pois fique sabendo, meu caro, que a Sr.a Long disse que Netherfield foi alugada a um jovem muito rico do Norte da Inglaterra. Alguns de seus criados já devem chegar no fim da semana que vem.
– Como se chama o jovem?
-Bingley.
– Casado ou solteiro?
– Ora, solteiro! Solteiro e dono de grande fortuna: quatro ou cinco mil libras por ano. Que esplêndida oportunidade para uma das meninas!
– Por quê? Que tem isso a ver com elas?
– Bennet, meu caro, como você pode ser tão fatigante. Devia saber que estou querendo casar uma delas.

Pedra Azul Editora tradução Amanda Magri

É uma verdade universalmente conhecida que um homem solteiro, possuidor de uma enorme fortuna, deve estar à procura de uma esposa.
Embora pouco se saiba a respeito dos sentimentos e opiniões daquele homem ao chegar em determinada região, tal verdade é tão enraizada nas mentes das famílias da redondeza, que ele logo é considerado um excelente partido para uma ou outra jovem.
-Meu querido Mr. Bennet – disse, certo dia, a esposa ao marido. – Ouviu falar que a propriedade Netherfield Park finalmente foi ocupada?
Mr. Bennet respondeu que não escutara nada a respeito.
-Ah, mas foi, sim – retrucou ela. – Mrs. Long estava aqui há pouco e me contou tudo a respeito.
Mr. Bennet não respondeu.
– Quer saber quem a está ocupando? – clamou a esposa, impacientemente.
– Você quer me contar, e eu não tenho qualquer objeção quanto a isso.
Aquilo foi o suficiente para que ela começasse.
– Ora, meu querido, saiba que Mrs. Long disse que Netherfield foi adquirida por um jovem de grandes riquezas, vindo do Norte da Inglaterra. Ele chegou de carruagem na segunda-feira e foi analisar a propriedade. O rapaz ficou tão encantado que fechou o negócio com Mr. Morris imediatamente, dizendo que iria se mudar antes da festa de São Miguel,’ e alguns de seus criados já ocupariam a casa até o final da próxima semana.
– Qual é o nome dele?
– Bingley.
– Ele é casado ou solteiro?
-Ah! Certamente ele é solteiro, meu querido! Um homem rico e solteiro, com uma renda anual de quatro ou cinco mil libras. Isso é ótimo para as nossas meninas!
– Como assim? Como isso pode afetá-las?
– Meu querido Mr. Bennet – respondeu a esposa -, como pode ser tão enfadonho!? Já deve ter entendido que penso em casar uma delas com o rapaz.

Editora Principis tradução M. Ângela Santos

Uma verdade mundialmente consagrada é a de que um homem solteiro, dono de uma grande fortuna, deve estar precisando se casar. Por menos que os sentimentos ou as ideias de tal homem sejam conhecidos, ao se fixar numa nova localidade, essa verdade está de tal forma sedimentada nas mentes das famílias vizinhas, que muitas dessas famílias consideram o rapaz propriedade legítima de uma das suas filhas.
-Caro Sr. Bennet, sabe que Netherfield Park foi finalmente alugado? – perguntou um dia a Sra. Bennet. – Precisa saber, meu caro, que, pelo que a Sra. Long me disse, Netherfield foi alugado por um homem muito rico do Norte de Inglaterra. Chegou na segunda-feira, numa carruagem elegante puxada por quatro cavalos, para visitar o ocal, e ficou tão encantado que logo aceitou as condições do Sr. Morris. Vem ocupar a casa ainda antes do dia de S. Miguel, e alguns dos seus criados deverão chegar já no im da próxima semana.
– Qual o nome dele?
– Bingley.
– Ele é casado ou solteiro?
– Claro que é solteiro, meu caro! Um homem solteiro e muito rico, com rendimentos de quatro ou cinco mil libras anuais. Que maravilhoso acontecimento para as nossas filhas!
– Como assim? O que elas têm a ver com isso?
– Meu caro Sr. Bennet, como o senhor é chato! Sabe muito bem que vejo a possibilidade de ele se casar com uma delas.

Editora Antofágica tradutora Carol Chiovatto

É uma verdade universalmente reconhecida que um homem solteiro em posse de uma boa fortuna deve estar à procura de uma esposa.
Por menos que se conheçam os sentimentos e as opiniões de tal homem quando ele chega a uma vizinhança, essa verdade está tão fixada nas mentes das famílias residentes no entorno que ele é logo considerado a propriedade legítima de alguma filha dessas pessoas.
– Meu querido sr. Bennet – perguntou sua esposa certo dia -, você ouviu falar que Netherfield Park finalmente foi alugada?
O sr. Bennet respondeu que não.
– Pois foi – ela replicou. – A sra. Long esteve aqui ainda há pouco e me contou tudo a respeito.
O sr. Bennet não respondeu.
– Não quer saber quem alugou? – a esposa perguntou, impaciente.
– Você quer me dizer, e não tenho objeção em ouvir.
Aquilo bastava como convite.
– Ora, meu querido, você precisa saber que a sra. Long falou que Netherfield foi alugada por um jovem de grande fortuna, vindo do norte da Inglaterra; falou que ele veio para cá na segunda-feira num cabriolé puxado por quatro cavalos, e ficou tão satisfeito com o lugar que fechou com o sr. Morris imediatamente; falou que vai se mudar antes da festa de São Miguel e que alguns de seus criados deverão estar na casa até o final da próxima semana.
– Qual é o nome dele?
– Bingley.
– Ele é casado ou solteiro?
– Ah! Solteiro, meu querido, sem dúvida! Um homem solteiro de grande fortuna, quatro ou cinco mil por ano. Que coisa ótima para nossas meninas!
– Por quê? Como isso pode afetá-las?
– Meu caro sr. Bennet, como consegue ser tão maçante? – tornou a esposa. – Você deve saber que estou pensando que ele pode se casar com uma delas.

Editora Landmark tradução Marcella Furtado

É uma verdade universalmente reconhecida que um homem solteiro, possuidor de uma grande fortuna, deve estar em busca de uma esposa.
Embora pouco conhecidos sejam os sentimentos ou opiniões de tal homem quando ele adentra, pela primeira vez, em uma vizinhança, essa verdade está tão bem fixada nas mentes das famílias ao seu redor que ele é considerado a propriedade de direito de alguém ou de uma de suas filhas.
“Meu caro Mr. Bennet”, disse-lhe sua esposa um dia, “você ouviu que Netherfield Park foi alugada finalmente?”
Mr. Bennet respondeu que não.
“Mas foi”, ela retornou; “pois Mrs. Long esteve lá há pouco e contou-me tudo sobre isso.”
Mr. Bennet nada respondeu.
“Não quer saber quem a ocupou?”, exclamou sua esposa com impaciência.
“Você quer me contar e eu não tenho nenhuma objeção em ouvi-lo.”
Isso era convidativo o suficiente.
“Ora, meu caro, você deve saber, Mrs. Long diz que Netherfield foi alugada por um jovem de grande fortuna vindo do norte da Inglaterra; chegou na segunda-feira em uma carruagem, com mais quatro, para ver o local e ficou tão encantado que fechou negócio com Mr. Morris imediatamente; deve ocupá-la antes de Micha-elmas’ e alguns de seus criados estarão na casa ao final da próxima semana.”
“Qual é o nome dele?”
“Bingley.”
“É casado ou solteiro?”
“O! Solteiro, meu querido, esteja certo! Um homem solteiro de grande fortuna; quatro ou cinco mil por ano. O que é uma coisa boa para as nossas meninas!”
“Como assim? De que maneira isso as afeta?”
“Meu caro Mr. Bennet”, respondeu sua esposa, “como pode ser tão cansativo! Deve saber que estou pensando em que uma delas o despose!”

Editora Via Leitura tradutora Eloise de Vylder

É uma verdade universalmente reconhecida que um homem solteiro em posse de boa fortuna deve estar em busca de uma esposa.
Por pouco que se conheçam os sentimentos ou as opiniões de tal homem logo que chega a uma vizinhança, essa verdade está tão enrai-zada na mente das famílias locais que ele é considerado propriedade legítima de uma ou outra de suas filhas.
– Meu caro senhor Bennet – disse-lhe a esposa um dia -, ouviu falar que Netherfield Park foi finalmente alugada?
O senhor Bennet respondeu que não.
– Pois foi – ela insistiu -, a senhora Long esteve aqui há pouco e contou-me tudo.
O senhor Bennet nada respondeu.
– Não quer saber quem a alugou? exaltou-se a mulher, impaciente.
– Você é quem quer me contar, e eu não tenho nenhuma objeção a ouvir.
Isso era incentivo suficiente.
-Ora, meu caro, você deve saber, a senhora Long diz que Netherfield foi alugada por um jovem de grande fortuna do norte da Inglaterra; que ele veio na segunda-feira numa carruagem de quatro cavalos para ver o lugar e ficou tão encantado que imediatamente acertou com o senhor Morris; que deve se mudar antes do dia de São Miguel; e que alguns de seus criados deverão estar na casa até o fim da semana que vem.
– Qual é o nome dele?
– Bingley.
– É casado ou solteiro?
-Oh! Solteiro, meu caro, é claro! Um homem solteiro de grande fortuna; quatro ou cinco mil libras por ano. Que coisa boa para nossas meninas!
– Como assim? De que maneira isso pode afetá-las?
– Meu caro senhor Bennet – respondeu a mulher -, como pode ser tão enfadonho! Deve saber que quero que ele se case com uma delas.

Editora Martin Claret traduto Roberto Leal Ferreira

É uma verdade universalmente reconhecida que um homem solteiro e muito rico precisa de uma esposa.
Por menos conhecidos que sejam os sentimentos ou as idéias de tal homem ao entrar pela primeira vez em certo lugarejo, tal verdade está tão bem arraigada na mente das famílias que o rodeiam, que ele vem a ser considerado propriedade legítima de uma ou outra de suas filhas,
– Meu caro sr. Bennet – disse lhe a esposa certo dia -, sabia que Netherfield Park foi enfim alugado?
Respondeu o sr. Bennet que não.
– Mas foi – tornou ela -, pois a sra, Long acaba de vir aqui e me contar tudo sobre o assunto.
O sr. Bennet não deu nenhuma resposta,
– Não quer saber quem o alugou? – exclamou a mulher com impaciência.
– Você quer contar, e eu não tenho nada contra ouvir o que tem a me dizer.
Isso lhe pareceu um bom convite.
– Ora, meu querido, como você sabe, a sra. Long diz que Netherfield foi alugado por um jovem de amplas posses do norte da Inglaterra; que ele chegou para ver o lugar na segunda-feira, numa chaise puxada por quatro cavalos, e ficou tão encantado com o que viu, que de imediato entrou em acordo com o sr. Morris. Ele deve mudar-se antes do dia de São Miguel, e alguns dos seus criados já devem chegar no fim da semana que vem.
– Qual é o nome dele?
– Bingley.
– É casado ou solteiro?
-Ah! Solteiro, meu querido, com toda a certeza! Um rapaz solteiro de muitas posses; quatro ou cinco mil libras por ano. Que maravilha para as nossas meninas!
– Como assim? Que tem isso a ver com elas?
– Meu querido sr. Bennet – tornou a mulher -, como você é aborrecido! Já devia ter entendido que estou pensando em casá-lo com uma delas.

Publicidade

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s